1 de junho de 2008

Crianças...

Voa lá no alto
A bolinha de sabão
Leva consigo a infância
Carregada de imaginação.

Sobe, sobe o balão
Sendo como as crianças a crescer
Vão evoluindo de dia para dia
Qualquer dia já estão a ler!

Aprendo tanto com elas
Estão-me sempre a cativar
Partilho as alegrias do dia
A elas me irei sempre dar,

Porque me merecem de corpo alma
Merecem todo o meu coração
Trabalho duro, mas compensa
Dar-lhes sempre a mão.

Chego a casa cansada
Mas também muito feliz
Será este o meu futuro?
Porque é que isso ninguém me diz?

Vou-me dedicando às crianças
Nestas minhas férias
Com elas estou todos os dias
Brincando e tendo conversas sérias.

Pureza e malandrice:
Inocência singular
Para os perigos não estão avisadas,
Só querem é sempre brincar!

Meigas, ternas e verdadeiras
Assim são as crianças.
Delas me irei sempre recordar
Encheram já a minha vida de lembranças.

Ensino músicas e brincadeiras
E delas retenho os sorrisos
Com simplicidade e satisfação
Dou os abraços que forem precisos!

3 comentários:

Ri(so)ta disse...

TÃÃÃÃOOOO BONITOOOOO!

pois o teu futuro...

já nem digo a minha opinião =P

mas pronto, madrinha de um pequenote serás um dia concerteza...
daqui a uns tempitos!

bjO*

miguel o gonorreias disse...

poema simples, porém muito bom, e elas (as crianças) merecem! vais dar uma óptima educadora e mãe! muitos beijos

Jamil disse...

gostei muito do poema! parabéns, você é talentosa!